Atendimento (33) 3522-6677
30 de abril de 2021

Na tarde da última quarta-feira (28-04) o presidente da Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Teófilo Otoni, Ricardo Bastos Peres, concedeu uma importante entrevista à Rádio e TV Imigrantes, no programa “De Olho na Cidade”, do apresentador Lula Guedes. Na ocasião, o presidente da ACE avaliou a reabertura do comércio local na última segunda-feira (26), […]

Na tarde da última quarta-feira (28-04) o presidente da Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Teófilo Otoni, Ricardo Bastos Peres, concedeu uma importante entrevista à Rádio e TV Imigrantes, no programa “De Olho na Cidade”, do apresentador Lula Guedes. Na ocasião, o presidente da ACE avaliou a reabertura do comércio local na última segunda-feira (26), além de ter feito uma série de outras ponderações, como destacamos a seguir:

REABERTURA DOS BARES E RESTAURANTES — Ricardo Bastos deixou claro que a abertura do comércio foi muito importante para ajudar a classe empresarial, sobretudo o segmento lojista, a se reerguer dos prejuízos causados por mais de seis semanas de portas fechadas. Contudo, ele deixou clara a necessidade de reabertura dos bares e restaurantes e comentou que já está pleiteando isso junto à Prefeitura. Ricardo disse ainda que, além da necessidade de esses empreendedores sobreviverem (os donos de bares e restaurantes), é necessário haver um local onde os consumidores que vêm de todas as cidades da região, e que representam cerca de 80% do faturamento do comércio local, tenham onde almoçar e/ou lanchar.

AÇÕES DE ENFRENTAMENTO DA CRISE — O presidente da ACE-Teófilo Otoni também aproveitou a oportunidade da entrevista para enumerar algumas ações que a entidade desenvolveu para ajudar a classe empresarial local a combater os prejuízos causados pela pandemia, muitas dessas ações em parceria com as demais classes de representação empresarial, a CDL e o Sindcomércio. Entre essas ações ele destacou: a) aquisição de toneladas de álcool em gel e milhares de máscaras que foram distribuídas no comércio local; b) orientações práticas de como os empresários e empreendedores deveriam agir à medida que a pandemia avançava e novas informações iam surgindo; c) criação da página “CompreTeo.com.br”, que é uma vitrine voltada a anunciar gratuitamente os negócios de pequenos empreendedores locais na internet, já que a maioria desses empreendedores ainda não vendia no ambiente virtual; d) aquisição de um atomizador, em parceria com o Sindcomércio, que, em sistema de pulverização de um produto sanitizante, tem higienizado não apenas o comércio, mas toda a cidade, passando periodicamente por diferentes bairros. Além de tudo isso, Ricardo destacou a atuação junto aos órgãos competentes para facilitar a vida dos empreendedores neste momento, como a recente participação no programa RECOMEÇA MINAS, em que ele apresentou cinco ponderações e nove propostas ao Governo do Estado e à Assembleia Legislativa.

PREVISÃO DE RECUPERAÇÃO — Perguntado sobre quanto tempo acredita ser necessário para que a classe empresarial recupere o fôlego para voltar a crescer, o presidente da ACE disse ser necessário pelo menos um ano. “Alguns segmentos precisarão de dois ou mais”, destacou. Segundo Bastos, ao contrário do que muita gente crê, quando uma empresa fica seis ou sete semanas fechada, como acaba de ocorrer em Teófilo Otoni, não basta apenas o mesmo período para equalizar as contas. No mês que a empresa ficar aberta ela vai bancar as contas daquele mês. Um mês inteiro de prejuízo pode levar às vezes anos para ser coberto. E outra questão ponderada pelo presidente é que o fato de o comércio estar aberto não significa uma explosão de consumo, até porque muitas pessoas têm optado por ficar em casa por temerem sair e se contaminar com o vírus que ainda continua circulando até toda a população estar imunizada.

CESTAS BÁSICAS — O presidente anunciou que, em parceria com a Federação das Associações Comerciais do Estado de Minas Gerais (FEDERAMINAS), a ACE-Teófilo Otoni distribuirá 1000 (um mil) cestas básicas à população das comunidades mais vulneráveis das cidades mais pobres dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha, em especial para pessoas que, em função da pandemia, ficaram sem ter condições de continuar a produzindo o sustento de suas famílias.

EXPONOR — O presidente Ricardo disse que até já tinha feito uma reserva do espaço do Centro de Convenções (EXPOMINAS), hoje sob a gestão da Prefeitura de Teófilo Otoni, mas prefere não divulgar ainda esta data até que o programa de vacinação esteja funcionando de modo a poder estabelecer um prazo real para a comunidade estar devidamente imunizada. Aí, sim, ele poderá anunciar a EXPONOR e retomar as comemorações dos 80 anos da entidade, cuja data ocorreu em fevereiro deste ano.

(Fonte: ACE)

Veja outras de nossas publicações